Lúis de Camões (1524-1525)


Nos salgueiros pendurei
os órgãos com que cantava.
Aquele instrumento ledo
deixei da vida passada,
dizendo: - Música amada,
deixo-te neste arvoredo,
à memória consagrada.
Frauda minha que, tangendo,
os montes fazíveis vir
p'ra onde estáveis correndo,
e as águas, que iam descendo,
tornavam logo a subir.
SHARE

Bruno Kaoss

Um apaixonado por todas as formas de expressões artísticas, em especial a Música. QUESTIONADOR... Adoro divulgar informações e promover debates sobre questões sociais, econômicas, políticas, ambientais e culturais.

  • Image
  • Image